Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Becoming Farmer

Diário de um apaixonado pela natureza, meio ambiente e que se está a tornar agricultor

Becoming Farmer

Diário de um apaixonado pela natureza, meio ambiente e que se está a tornar agricultor

Como continuamos a destruir

André, 02.07.21

Cada vez com maior frequência, nos últimos anos temos assistido a alertas que o caminho que a humanidade está a seguir é extremamente perigoso e não terá retorno. Em 2019 a Academia Europeia das Ciências apresentou um relatório que mostrava claramente que as nossas vidas estão em risco perante as alterações climáticas:

  • As alterações climáticas são uma das maiores ameaças à saúde;
  • A temperatura à superfície da terra continua a aumentar, prevê-se um aumento de mais 6ºC até ao final deste século;
  • Nos impactos diretos, os cientistas apontavam para quebras na produção de alimentos na casa dos 5-25% na região mediterrânica nas próximas décadas, com consequências na segurança alimentar, ou a propagação de doenças como a dengue ou a malária;
  • Além destes impactos, também surgem os indiretos que afetam a saúde mental das populações devido ao stress relacionado com perda de colheitas ou de casas devido às secas, fogos ou à subida do nível do mar.

 

HotCanada.jpg

@ScottDuncan

 

O esforço e alertas feitos nos últimos 2 anos têm sido suficientes para invertermos o cenário negro apresentado anteriormente?

As notícias que chegam do continente Americano nos últimos dias dão-nos a resposta:

  • O Canadá quebrou seu recorde de temperatura pelo terceiro dia consecutivo - 49,6°C em Lytton, na Colúmbia Britânica, província que fica na costa oeste do país;
  • O noroeste dos Estados Unidos também registou temperatura recordes - e uma série de fatalidades;
  • A polícia de Vancouver respondeu a mais de 130 mortes súbitas desde sexta-feira (25/06);
  • O calor na região ocidental do Canadá e dos EUA foi causado por uma cúpula de ar quente de alta pressão estática que se estende da Califórnia aos territórios árticos;

 

Que legado queremos deixar?

Como queremos ser recordados?

Imagine-se daqui a 10, 20, 30 ou 40 anos...

Quando penso a fundo nestas questões, sinto que posso alterar mais, ser mais ativo, mais interventivo, aproveitar as ferramentas que tenho para mobilizar, ajudar, modificar, fazer mais e mais.

Arrisco-me a dizer que este sentimento é comum a todos os que conseguem ver mais do que o curto prazo, o lucro e a economia.  

 

Os recordes de calor são geralmente quebrados por casas decimais, como um décimo de grau. E não em Junho...

Estamos a destabilizar o planeta. Entretanto, os nossos líderes continuam a destruir as condições de vida presentes e futuras.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.